casta Loureiro

Casta de expansão em quase toda a região, e como mais adaptada às zonas do litoral é menos cultivada nas zonas interiores.

O principal sinónimo 'Dourado' advém-lhe do tom dourado das uvas maduras expostas ao sol.                      

Particularidades Ampelográficas:

Folha adulta com algum polimorfismo (de inteira a trilobada) e de perfil irregular elevando os lobos revolutos.

Cacho de dimensão e compactação variável consoante a fertilidade e humidade do solo.

 

Esquema da Folha, Cacho e Bago

 

Aptidão Cultural e Agronómica:

Abrolhamento: Média, mais 11 dias do que a 'Fernão Pires'

Floração: Média, mais 5 dias do que a 'Fernão Pires'

Pintor: Médio, mais 12 dias do que a 'Fernão Pires'

Maturação: Média

Casta de vigor médio e de boa afinidade com os porta-enxertos SO4, 196-17 e 101-14. Com um índice de fertilidade elevado, duas inflorescências por lançamento, dá cachos compridos, medianamente compactos e pesados o que a torna muito produtiva. É muito sensível ao oídio, à escoriose, à podridão dos cachos e aos ácaros e sensível ao míldio.

Potencialidades Tecnológicas:

Casta antiga e de alta qualidade, produz mostos com aroma acentuado e característico da casta, dando vinhos de cor citrina, aroma fino, elegante, que vai do frutado de citrinos (limão) ao floral (frésia, rosa) e melado (bouquet) e sabor frutado, com ligeiro acídulo, fresco, harmonioso, encorpado e persistente.

Utilizada em vinhos brancos de lote, com a maior parte das restantes castas brancas regionais, e na elaboração de vinhos elementares de excelente qualidade.

a pesquisar